2009-07-03


Voltei. A cada segundo do dia me pego pensando do que em mim não posso negar. É um fato pessoal. Danço lenta no dançante das cordas do seu amar-te tanto assim. E ainda que cá-eu, mortal, em dias corridos esteja sendo nublada-ofuscada por tanta dor de cabeça e por teimosia no atuar como amiga, posso expressar-me aqui. Aleluia ! A cura batendo à porta sim. O tão íntimo meu lançando-se ao vento do pedido no fazer chuvarada dentro do que vai existir. A terra seca sendo molhada e lavada a sujeira empoeirada que embaça as janelas.
Sei bem. O quanto dói traços grossos à entrada da sequidão, e fiz bastante barulho. Assustei as pessoas assustadas por tantos ruídos. Ruídos no impossível ouvir do silêncio. Ah sei ! Ontem me chamastes na janela nem acreditei. Dialogastes em silêncio comigo no revelar-te mais uma vez. Protegeu-me com tanto carinho. Obrigada por ter ficado as horas que precisei. Escute-me: precisei-te mesmo ! Meus passos bailam em dupla honra suspirar no continuar a contar. Das mãos dadas no campo e todo gardenial elevando-se no permanente amar-te em delírio. Do olhar meu despejando aos teus pés o perfume raro e tudo que há em beijos para tê-lo mais perto. Enferma de amor numa beleza impressionante. Cena íntima de um diário por compor amando a partir de uma entrega contínua. Pintá-lo. Guardar seu sorriso para não o esquecimento atrás de um pensamento. Espelho meu: deixa-me vestir sua camisa no jardim do encontrar-te e que fica a fragrância entranhado no âmago ? Viver ao seu lado o sempre do amanhecer ? Os lábios da tua menina declamam gritantemente no letral o pensamento que ultrapassa o atrás do pensamento. O sentimento delicioso da respiração suave como uma pétala aveludada. Toque infinito em raio de sol entrando pela janela ao acordar. Contornar-te o rosto nos meus dedos pequeninos e ficar horas a olhar-te no infinito.



Canteiro Pessoal

Um comentário:

T@CITO/XANADU disse...

Viver ao seu lado o sempre do amanhecer?

Somos os que fazem versos
e
pisam flores
Mas sabemos um
dia buscar caminhos
exatos
que levam às fontes

Há uma aurora
escondida em
nosso rosto

Então nos reconhecemos...

P A Z !
Tácito