2009-09-13

eu ligo no teu ligo


Ela. O meu sorriso sem jeito no delicado jeitoso, chora amá-lo. Fotografo um pouco em silêncio. Só ouvindo o inspirar e o expirar. Aspiro. Deitada sobre tudo lido e absorvido, desfaleço. Respiro do novo sobre o que era velho.
Ele. Nós estamos partindo esta noite para o que nos foi interrompido. Não há motivo para contar aos outros, apenas nos atrasam com conceitos fragmentados de ilhas. Pela luz do dia estaremos à caminho para o lugar doce. O amor é mais do que falado, é o meu nome.
Ela. Arrepio-me. Olho-te. Na tua pulsação. Pela fração do respirar-te. Ao tempo que urge devagar e o silêncio pegando a minha mão. Do pequeno gesto que é lacrado pela mão e toca o contigo num letral o escute-me.
Ele. E tu ? Dizes-me tu agora ?
Ela. Li-te e reli-te. Tuas páginas de sentimento tão intenso e vival me causam impacto profundo e o veloz por habitar no lunar. Acredite. Não. Porque é o próprio acreditar. Sei que é capaz de iluminar as águas e colorir todo o meu oceano profundo, muitas vezes, menina-mulher como uma mata densa.
Ele. Não queria estar comigo ? Não desejava ser livre ?
Ela. Não posso continuar fingindo que nem te conheço, pois as noites tu és só meu. Minhas lágrimas seu vinho. A arte dos meus olhos que celebra e cultiva por ofertar-te a minha chave.
Ele. Esqueça essa vida, venhas comigo. Não olhes pra trás, tu estás a salvo agora. Destrangue seu coração, baixe a guarda. Essa porta ser aberta pela luz de meus dedos. Não há mais ninguém para te parar.
Ela. Do alto da montanha é possível ver o sol se pondo sobre o mar. Hora que toda minha ilha é povoada ao envolvido pelos seus adornos e ouro. As flores reluzem uma beleza intangível. Impossível não se emocionar.
Ele. De tardinha olho o mar. Na varanda sem janela pra ver o sol se deitar aos seus olhos. Ouço um sabiá feliz cantante pra ti. Não me canso de escutar. Meu pensamento de paz voa no ar, o vento por soprar suas madeixas.
Ela. Sinto euforia em sentar na tua varanda. Sem cadeira pondo-me a pensar-te. Posso te encontrar e entender-me em ti, o quanto é bom a gente amar. Redescobrir-me e transformando o abstrato ao concreto. Arrematando ao infinito uma força incontrolável.


. canteiro pessoal

6 comentários:

Silvana Nunes .'. disse...

Interessante o seu cantinho.
Saudações Florestais !

Canteiro Pessoal disse...

Silvana Nunes. Que belo sobrenome, pois um aluno em meus atendimentos diários possui este sobrenome. Este que se fosse definir em uma palavra, seria DIVERSÃO. Todas as manhãs me faz sorrir. Alegria é marca registrada em seu perfil. Sabes, com suas limitações que são tamanhas, pois é deficiente, mostra pra mim que superação é fazer valer o privilégio que o criador nos deu para sermos seu sopro de vida, boca profética de boas novas, afinal nada está perdido. Bem. Interessante palavra bela, que significa que interessa, que atrai a atenção, simpático, atraente. Meu cantinho ficou mais interessante por seu pouso e suas saudações florestais, oxigenal. Obrigada.

Seja bem vinda sempre!

Beijos

Clarice disse...

Olá, vim retribuir sua visita e agradecer as palavras tão boas que você deixou lá. Gostei do seu espaço, volto mais vezes e apareça por lá tb.
beijos da janela

Silvana Nunes .'. disse...

Estava olhando o seu bloh e deperei-me com Fadas no Divã. Este livro é maravilhoso, já li umas três vezes.
Bem, você passou no meu blog e deixou um recado muito carinhoso. Obrigada. Mas devo esclarecer que não sou deficiente, sou apenas uma professora desempregada que, para não perder o costume da leitura e da escrita, escreve no blog. Gostaria que conhecesse o meu outro cantinho, o link é esse ai http://www.silnunesprof.blogspot.com

Volte sempre e quanto a mim, estarei sempre espiando você.
Saudações Florestais !

Silvana Nunes .'. disse...

Adorei o seu jardim secreyto, que já não é tão secreto assim. Vou deixar para o seu jardim, uma reflexão de Rubens Alves que gosto muito.
“Todo jardim começa com um sonho de amor . Antes que qualquer árvore seja plantada ou qualquer lago seja construído, é preciso que as árvores e os lagos tenham nascido dentro da alma. Quem não tem jardins por dentro, não planta jardins por fora e nem passeia por eles...”.
- Rubem Alves –

Saudações Florestais !

Canteiro Pessoal disse...

Silvana. Ave Rara. Sei que não és deficiente, estava tão somente relatando por seu sobrenome coincidir com um dos meus atendimentos na escola e, nisto, acabei por partilhares um pouco deste ser que faz parte do meu quadrado. No mais, agradeço por suas ricas palavras e o citar de Rubens Alves que encaixa com tanta precisão ao meu espaço. Seu pouso me trouxe muita oxigenação, obrigada.

Beijos mil