2009-10-11

Os dedos ao Vento do recomeço


Hoje é teu nome. Portanto, é dia de grito por aqui no chamar-te, afinal, se hoje ouvirmos sua voz tudo sofre metamorfose. No meu palco rompimento dum silêncio ao silêncio do contorno dos seus olhos. Acerca de mim a rádio marca uma nova estação. A sua vida é resultado do que está em minhas mãos. O escorrer do percorrido nuance que dança de azul a sol nos meus pés aos teus. Os traços que bebo em seu brilho me invadem e acaricio o poema que cresce em mim. É permanência de tão magnífica visão que não sei desolhar. Não posso evitar olhar-te, pois no corpo da minha cristalina está desenhado o passeio diário da pele dos teus dedos. Meus poros estão molhados e evoaçam minhas madeixas, enquanto as mãos suam cor de oceano e raios de luz por linguagem que está gravada no que é irrevogável. A brisa da grafia é rosa perfumado por escrever-te no capítulo que fala do primaveril. Entre a voz e o calado à espera que me eleva palavras do embriagado, fazendo flutuar as pétalas. As pétalas se abrem entre as gotas que beijam a face que escreve a punho no vento do recomeço. O traçado olhar no apreciar em soletramento o voo da sua ave rara. Suas madrugadas alargadas ao quente e suave, pintam o céu diante dos meus olhos turvos em esperança de que existe o brotar com tamanha doçura. A saudade que ressuscita o segredo revelado na chuva das pálpebras. Água sendo dormitante em suspiros e voz do sopro por dança em aroma de selo na paisagem. E, serenamente, se liberta.


Eu não me canso de falar
Nome mais puro que eu já ouvi
Esse nome me faz muito bem
É o nome que me dá prazer
Ele é mais doce do que o mel
O pão da minha vida
A água que mata minha sede


.canteiro pessoal

3 comentários:

O Espelho de Eva disse...

Você fala do que escrevo, elogia.... e agora o que dizer aqui?
Que semente plantar aqui neste canteiro?
As sementes são caixas de surpresa e dentro delas a energia que se move e transforma, germinará em palavra que crescerá e transformará em àrvore de frondoso troco, extensos galhos, que alimentaram com saboros frutos e darão ao viajante sombra e frescor.
Serão as suas palavras! que dentro do fruto será sorvida e o hálito que se desprenderá de todas as bocas terão um som, um cheiro, um gosto que outrora apenas se encontrou num CANTEIRO PESSOAL.

Beijos.
Parabéns!

Danilo Castro disse...

Pri,

Ressuscitar talvez seja mais triunfal do que nascer, porque quando a gente nasce, damos início ao ritual de morte. Nascer é começar a morrer. Ressuscitar é exprimir e romper até o último fim as linhas de um sentimento que tornar-se-ia vago e sufocador se não fosse rompido.

Desejo-te Luz, Água e Ressurreição nesse jardim,

Danilo Castro.

Canteiro Pessoal disse...

Sheila. Suas palavras são aquecidas e proféticas. Obrigada.

Danilo. Suas letras e pousos sempre são impactantes e de grande movimento. Identifico-me com seus escritos. Falas com a alma e genuína expressão, e, ao mesmo tempo, me calam e fazem exprimir letras e viagem numa perspectiva diferenciada. Tirando-me da condição de mosca morta. Amo ler-te em leitura de releitura.

Abraços e paz