2009-11-30

Início no Início


A obra é iniciada à medida que a composição se submete ao descompassada por um fragmento sobremodo elevado em que a alma é grito não calado no âmago. Tampouco esta é voz quando se há várias vozes, pois vozes atuam numa mesclagem tão viva, afinal temos o direito a sermos iguais quando a diferença nos inferioriza; temos o direito a sermos diferentes quando a igualdade nos descaracteriza e, a protagonista rege em unidade que salta os olhos da plateia. É ato que em renúncia faz com tamanha euforia e a língua uma troca, uma visualização permanente e não memorização. O primeiro capítulo é história repetida de várias folhas em intenso psicografo de tempo outroro e presente. Seriam: os fragmentos agrupados de maneira ajustada e harmoniosa em tinta inexplicável. Pedaços percebidos nos olhos por seus súbitos silêncios ao palco.


. canteiro pessoal

Um comentário:

Dri Monteiro disse...

Adoro ler seu blog. Ele me deixa em estado de torpor apenas com palavras. beijos