2010-04-10

a pausa


As horas tenras de silêncio. Mas onde as notas do canto ? Não distante de onde flui a pergunta. Um contudente grito na pintura do que fazer. Quando as linhas somem a alma vislumbra uma árvore morta. O dorso da mão pela primeira prateleira por uma pausa na literatura. Ouvi-se o arrastar das unhas deslizando pela espinha dorsal de cada livro. Sendo tirado uma foto, enquanto o corpo na calçada recaindo no pensar. Quanto havia sentido ? O doce mel à entrada anunciando insensibilidade. Um monstro opressora e egocêntrica. No trilho, uma estante encostada em outra à espera estar no inteiro. Longe das linhas o fim se aproxima veloz. Pode-se suportar para além do imaginável ? O cedo do bom amanhecer numa melodia triste tocando o tempo inteiro perto do ouvido. Cada lágrima um sangue como as notas de pés em gazela. A faca que corta por dentro no fingido carinho de não estar aquecida. Do abrir os olhos para o tocável do ir ou ficar, anulando o alfabético que existe no profundo. O quieto ouvir falante que rir irônico. E luz impedida de entrar para o espectáculo rasgar de véu. Qual a causa da inspiração fazer as malas ? Afinal, palavras sempre instigando a resenhar o inalar do vivo e completamente elevado ao quadrado.


[...]
o mineral das prosas altas
que serena o que, nas sedentas, há de árido.


Karl


. canteiro pessoal

4 comentários:

Gilson disse...

Muitas vezes a inspiração nos dá adeus, muitas vezes pelos problemas da vida e outras por um momento de tamanha serenidade. Muitas pessoas só conseguem inspiração quando estão passando por problemas, outras não.

Abs

Canteiro Pessoal disse...

Gilson, exatamente! Mas, pode-se suportar para além do imaginável?

[...]

Abraços e amei-te ao jardim.

Juan Moravagine Carneiro disse...

"...O autor, em sua obra, deve ser como Deus no universo: onipresente e invisivel..."

Flaubert

Canteiro Pessoal disse...

Juan, não ser como Deus, afinal há lugar só para um no pódio e irrevogável. Mas, estar no de serva com classe, e copista do mistério, vivendo em intensidade.

Abraços!