2010-04-22

Minutar em dor


Enfim, vivente divagando por olhos à procura. O que era nascido no prelúdio da madrugada, abortado quando o sono dominante se tornou voz. Uma manhã sombria do dentro que partiu, porque a vida fala e não se escuta. Poucos se aventurando na fala da sina como amadurecimento. Mas, responda: - Por que vivente a razão do murcho ? Pois, nas ânsias negras do pensamento, não se clama mais o pedido para romper o mar com a voz.


[enigma]


Um ano atrás o cheiro do dentro anelava o primeiro beijo. Os olhos saltavam para dentro da porta. De olhos fechados entreabriam os lábios e o gole fresco descia. A vida que voltava, encharcando todo o interior arenoso até o saciar. Águas vivas fluiam diante do templo e o compromisso dava início numa bela manhã. E ambos em jardins andavam tontos, era o amor. A brisa fresca batia no rosto e entrava pelas madeixas com dedos longos, finos e sem peso como os de uma mãe. Ficar às vezes em silêncio, sem quase pensar, e apenas sentir- era tão bom.


[...]


- E se fechar as narinas e respirar um pouco menos deste vento de deserto ?


. canteiro pessoal

7 comentários:

Juan Moravagine Carneiro disse...

Gostei muito do desenho!

V_ Leal disse...

respirar, nem que seja o deserto! inventar o fértil.
abraço.

Thiago Ya'agob disse...

Saudades, Pri.

...

Sabe, pode até parecer sem sentido o que vou escrever, mas seu texto me fez refletir sobre algo: O tempo não para, passa.

Alma Poética disse...

Cuida sempre que possivel, mesmoem etapas!

Polemizei rsrsrsrsrsrsrs

Bjux anjo

Marquinhos

O Espelho de Eva disse...

Respire fundo!
Sinta o vento!
Lindo!
PAZ.

Mistério do Planeta disse...

Obrigada pela visita querida.

gostei muito da sua opinião. Muito mesmo.

Eu sempre passo por aqui, mais acabo me silenciando também, rs.

Fico encantada e anestesiada com suas palavras. Tanta coisa bela :)


Uma boa noite e um fim de semana poético.


Jenifer

Canteiro Pessoal disse...

Juan, a imagem defino como expressiva e gritante no coser de mais uma partitura.

----

Thiago, meu doce amigo, e com sabor que aprecio: 'irmão', saudades também, o peito chega a doer.

Não acho sem sentido, pelo contrário, ' tempo não para, passa', encaixa no quebra-cabeça.

----

Marquinhos, etapas e etapas. Sobrevém não burlar, afinal, pra quê ultrapassar etapas 'fases' [?]

----

Scheila, respiremos e sintamos o vento. O belo derreter à pele arenosa.

----

Jenifer, agora posso chamá-la pelo nome. Pois é, cá estamos no trilho do silêncio, que delícia.

----

Obrigada e gardênias a todos.