2010-06-13

arrepios



Entre letras no sorriso de uma mãe dando à luz ao som do vento tão somente. Não é dela, mas do que canta como voz de trovão. O tempo e seus dias selados, alma silente que no mar das retinas navegará. E que fala se o coração tornar iceberg, o reflexo da própria solidão que se aloja e afoga, gritará o nome aos quatros cantos do planeta para o amor atuar voo em promessas. O despertar da voz dos pássaros para a musicalidade, e se produz obras vivas em estrelas de mil cores. E não se há receio de enfrentar o risco da autodescoberta, abraçará às galáxias. Se comporá, transpirará e aspirará bem dentro em fragrâncias cheias de frescor e delícia. O que há dentro do coração, em lábios doces de mel, o guardado à polvilhar na colina maravilhas, pedaços de papéis descritos com as palavras que já se sabe antes da impressão. Oceanos que se partem na escuta da voz, como se fosse simplesmente eco da mente numa conversa particular, nos segredos infindáveis as horas que o tempo tem para conceder até morrer frases com pontos finais. O abrir e fechar da porta, na intimidade declamando os sentidos. No adormecer pelo olhar fixo para lá do horizonte, o tempo que se suspende, e o seguir pelas ondas do ventrear nas águas profundas como sussurro do chamado. As luzes quentes das velas iluminando a escuridão, e deleitando no caminho. No ar que abre os olhos, e há um perfume intenso em gotas de água viva. Pela corrente imersando nas partituras, rendendo-se e os sentidos fluindo, de querer a não querer se chega, e de esperar quando não se espera, passar no coração frio ao fogo.


Olho para cima, a fim de ver a luz e não a minha sombra.

Gibran, Khalil


. canteiro pessoal

5 comentários:

Canteiro Pessoal disse...

É fato, tu estás nos meus olhos em dança. A fim de ver a tua luz, foi que abri a porta, adentrei e encontrei águas tranquilas e profundas a medida que ia em passos. O ser hoje é outro, o outrora bate à porta, só que em braçadas, furando ondas, este meu coração deixa de ser frio, e se desdobra a cada segundo que seus olhos me capturam e oram e no zelo como o sussuro de seu chamado e sonhos.

- Por favor, não me deixe escapar do que há em teus planos, pois meu coração dessa forma encontrará adoração e deleitar-me-ei em teu caminho, e oscularei seus pés com aroma suave.

Manifesto Interno disse...

E a sombra continua olhar a sua forma para ir se cumprindo,
como quem sonha,
redescobrindo caminhos,
um dia se rompe
e se torna aquilo
que sonhara
tua oração é
como um gemido
que se faz ouvir
em outros mares
a dormir em
doces embalos


"Jamais o sol vê a sombra."

Leonardo da Vinci

Sr do Vale disse...

Um belo ensaio de voo, ao transformar-se em voo pleno, faz-se sonho.

Canteiro Pessoal disse...

Sr do Vale, mais do que aritimética. Se adiciona e subtrai, ou dá tudo, tenta-se pegar algo de volta [incomum]. Não esquecer da liberdade que vem do fato, a soma.

Abraços.

Canteiro Pessoal disse...

Ester, como suas visitas me aquecem, meu olhar se transforma quando me aventuro nas leituras que proporcionas ao meu íntimo aqui deixando seus rastros. Portanto, se faz ouvir, acabo ao mesmo tempo por ouvir o que se canta em recantos tão sublimes e indeléveis.

Abraços ave rara!