2010-06-05

de repente


Na rua,
passos do pensar
à teia sensível
no nulo ficar
sem ti.
Quando dormi,
borrifar o travesseiro
e não senti o cheiro,
se quer de volta.
E no coração,
as pétalas soletram
choro de criança.



. canteiro pessoal

2 comentários:

Sr do Vale disse...

Vim colher algumas pétalas, e vejo-as umedecidas pelo orvalho da noite.

Canteiro Pessoal disse...

As pétalas necessitam da loucura no serem umedecidas, orvalhadas pelo que à noite proferi, pois traz consigo muitos saberes, aprender inexplicável.