2010-06-10

mistura


O entardecer, respirar palavras que chega à porta retinal. As cenas do lugar obras de arte vivas, para quem goza interiormente de uma câmera fotográfica. Telas no impacto profundo, com as cores, os movimentos e os passos, no banhar. Na operação do fazer entrar nos aposentos à busca pelo quebra do ponto final. Na madrugada, com a face em delírios. O esbarrar no assolado por caimento suspirado e choro contido preciso escrito a quatro mãos, ao choro por dentro. No percorrer que aproxima o ósculo suave na face, com narrativas inválidas, e à mente: - Acredito, acreditas ? O que há prende, chama, esquenta e a resposta é o silêncio. O versos em pétalas, o deixar-se no instigante, linha entre o real e o imaginário, grito nos tons elevados, até não ter forças, e a pele arder no prender até a última frase cantante em pincéis digitais. No terraço fechar as portas do tempo, e através da vidraça compor escritos à sangue. Em folhas mortas pela noite ultrapassar o escuro num toque na estrela. As falas ouvidas adagas no que se acaba de alcançar. Num poema escrito sobre a pele, ao conhecimento das mãos movimentais em tonalidades que molham a leitura. A voz no universo indelével, exalante o elixir do amor, o vermelho adocicado da tinta. A inflamar sabor movido por fome e sede no acordar poemas ao ouvido à nudez do verbo. O olhar faminto despir, e causar estado febril pela vestimenta de carícias. Uma boca quente no molhar os lábios e escreve à pele nua. Calar, mudar a cor, e escorrer lento na alma, por ruborizar sentidos. E lava no olhar os segredos em partilhas, o desabotoar das palavras.


. canteiro pessoal

3 comentários:

Manifesto Interno disse...

Só estas lindas palavras saberiam romper tão profundo e profícuo silêncio, é tênue a linha que separa o grito por dentro desse imenso silencio..

(metáforas de arripiar ursinhos =)

bj

Juan Moravagine Carneiro disse...

Sempre me vejo sem saber o que dizer quando adentro em seu espaço....

Pois o mesmo me absorve!

abraço

Canteiro Pessoal disse...

Rafael, faço das suas, as minhas ao teu.