2010-06-18

partículas

da minha mão
aquele solo
que me descompôs
não sei de partituras
muito menos de cifras
mas tenho nos meus dedos
cinco notas inacabadas
um dia vou soprá-las
Al-Chaer



da fome
do de dentro
se conhecer
frente o nobre deslizo.
gritar palavras
na textura de um rochedo.
em púrpura,
imersa aos pés
e de delicadeza
se derramar
a morte em vida.
cravar a mão,
respirar o sopro
em oceanos partidos.
lentidão no tatear
das pétalas secretas,
com sol de diamante
o alimento no ventre.
como uma flor
no silêncio sentido
a teia dos aromas.
sentir o sabor,
e se perder em ganho
no anoitecer
que dedilha notas
sem pressa.

. canteiro pessoal

4 comentários:

Sr do Vale disse...

As sensações de partículas que permeiam os sentimentos.

Território Nenhum disse...

gritar palavras
na textura de um rochedo.

lindo!

abs

Canteiro Pessoal disse...

Sr do Vale, as sensações em partículas que fluem como um rio em primavera. O permear dos sentidos a todo vapor e no se curvar ante uma fronte sempre em primeira vez. E no silêncio a alma submetida à canção que sacia e renova. O que como seta faz olhares para conhecimento transbordante, afinal é melodia que acalma na inquietude.

Izaías. Que surpresa maravilhosa à visita, e captura de uma frase que tanto me fala em primícia e enamoramento demorado. Portanto, volte sempre ave rara.

Nydia Bonetti disse...

que espaço mais bonito e que belos os teus cantos... gostei muito priscila! beijooos!