2010-07-20

Fiore

Por Ave Rara


[Um Presente muito lindo, obrigada!]


seu lírios
meus delírios
seus lírios doces
seios rios
a secar lágrimas
minha poesia é só tua


[suspiro]



O jardinar da manhã tatuada, de fronte a vastidão da alma pela vivacidade, que grita de cima do telhado. Dias primaveris, espiando tudo de seu, e as sombras não abraçam, odores sangram o cavucar fundo nas primeiras folhas verdes que nascem da garganta profunda. Os laços, com enlevos a prender diante a flor exuberante em seio vivo, a selar a criação da nova estação. Pétalas a regar pés cansados, e vinho tinto a transbordar.



Gardênia,
Ossos a traduzir andanças
Na pele cintilância a percorrer mares
O tato laborioso jardinar
À busca da retina sensível
Das re-lidas absorvida à veemência
Das mãos enlaçadas, onde estás ?
Os dedos leves as asas feridas,
Afago caloroso
Lá,
Atenção ímpar
- Acordar ou dormir ?
A vida núncio estado germinal
Na síndrome do pontilhar
De inocência,
Poesia conectada ao cume
Com suspiros e pausas
As cores,
Entonações,
Flashes fotográficos
O sentir da linguagem indomável
Coração de tinta,
Vermelha rubra paixão
Rastros do adorno a lábios vazio


. canteiro pessoal

2 comentários:

Valéria Sorohan disse...

Sentimentos rasgados, jogados, espalhados por todos os lados... desse jardim. Lindo!!

BeijooO

Canteiro Pessoal disse...

Valéria, ave rara, obrigada!

Abraços