2010-07-19

Tua marca, marca-me

Há um tapete
de poças espelhadas
nas trilhas esquecidas
de algumas árvores chorosas
Que desenham a tua geografia
nesta tarde chuvosa
e aconchegante!


Martini, Luciano



Quieta,
Minha alma recorda
As colinas de redenção,
Onde o sangue se derrama
O de sempre,
Renovável
E a bruma de fundo,
Aprofundada a me mover
O leque da boca a falar delírios
Reflexo dos olhos a cantar
Re-cantar grande euforia
Um rosto não! O rosto
A guiar-me
Transportar-me com delícias
Até candura da espera de ter o além
E o ar da face,
Único a ser cingido por esse espelho
O mar dizer
Céu sobre mim do que nada sei
Apenas tirar as vestes
Na inocência de conhecer incomum par


Canteiro Pessoal

3 comentários:

Mila disse...

Quando em introspcção nossa alma viaja.
BElos escritos!
Bjs
Mila Lopes

Canteiro Pessoal disse...

Mila, voejar e voejar.

Abraços.

Desbururu disse...

Marca-me por Marcar.


Marcar
Marcar-te
Marcar o ponto
Marcar o encontro
Marcar a missa
Marcar a pizza
Marcar o tento
Marcar com incenso
Marcar sem pestanejar
Marcar sem falhar
Marcar sem apupar
Marcar sem marejar
Marcar por estar
Marcar por passar
Marcar por caçar
Marcar sem ver
Marcar sem ter
Marcar para viver
Marcar e ter
Marcar por toda a vida
Marca de nossa investida
Um segundo uma marca
De que tudo está marcado
Como agora marco o papel
Sem marca
Pois é virtual mas tem marca
Como tudo o que se abarca
Neste momento marcante.

19.7.10