2010-07-20

Úmido, Molhado e Desejável

Andas tão misterioso, e eu ando lendo teus mistérios. Perco-me ainda nessa tua maravilhosa arte de me perder em ti. Tu és minha poesia e a inspiração em si para cada uma delas.


Ceinwyn, Evelyn


Nas folhas amarelas, linhas dos olhos e milhares de missivas a pele geme. O vulcão nas anotações resulta nortear que acelera estado nu. A fronte no banco da praça, nas árvores, na areia e na neve rascunha o próprio que é vinhedo. Em todas as folhas lidas e re-lidas pulsam clarividência, nos arames das páginas o sangue do lírico poetar entre a dança que enrosca a volta do ser mão nua. Nas imagens perolarizadas como seda pura, e o ouro das retinas embalam nas selvas e nos desertos. O ninho no eco da infância psicografa a contagem do dia tão esperado em veracidade, no grafar pleno de nomes que quebram o relógio. As maravilhas das noites com café matinal na estação invernal, aquecedor à composição que paira no ar. No lago da lua viva, campos verdes tintura horizonte sussurrante, e as asas nas auroras prescrevem o caminho do morango. O oceano dos navios nas ondas desperta, e na montanha em luxo, com uma espuma fina das nuvens, aspirante à chuva banhar formas mais cintilantes. Em sinos cores múltiplas na verdade do que é incomum. A estrada desdobrada transborda e o candeeiro que se acende e se apaga as casas bem juntas nas letras a quatro mãos. No fruto colhido do dois em um, do espelho e do quarto a cama letrativa nulo vazio, em concha a escrever o terno. As mãos dadas na vidraça das surpresas e lábios atentos, rosados no nascer do dia. Do silêncio, desnuda-se da solidão nos degraus redivivos pelo poder da palavra que recomeça, nascido para conhecer e nomear o compasso em noite azul.


. canteiro pessoal
. imagem: Blog Pensamentos de Mila

6 comentários:

Fabio Rocha disse...

As estradas nos servirão. Que coisa linda! Beijos

Mila disse...

"Em todas as folhas lidas e re-lidas pulsam clarividência, nos arames das páginas o sangue do lírico poetar entre a dança que enrosca a volta do ser mão nua"

Que versos em?!
Adorável!

Também amei essa imagem, linda!
Bjs
Mila LOpes

Léo Santos disse...

Sei lá, mas... Bem... Não sei se a tua literatura é impressionista ou surrealista... Só sei que é superbacana!

Um abraço!

Canteiro Pessoal disse...

Léo. obrigada!

Canteiro Pessoal disse...

Fabio. A estrada, um delicioso caminho a percorrer se descompassando ao compasso, composição vival.

Abraços

Canteiro Pessoal disse...

Mila, eu mesma não paro de pousar sobre, saídas das minhas entranhas e me causam horrores de impacto tão profundo, inexplicável em meu palco.

Abraços.