2010-09-06

ontem, hoje e sempre

Me faz viver,
você me faz rir,
e respirar.



como incenso diante de ti
no mesmo céu e sol
fronte as mesmas ruas,
mas...
porque estás,
não se é a mesma
passa-se a descobrir
os traços simples que antes não se via
a máscara cair ante o seu olhar
a voz do mar que clama
e as estrelas no silêncio do querer aproximação
falantes tanto dos braços teus
o ósculo saído da rotina

cada gota a molhar o andar
regar cercado por tanto prazer
a visão dos estatutos como herança
determinação fluída
da manutenção dos decretos em veia
apalpa-me ?
perto,
muito perto
juntar-se a mim à canção da cabana
sobre à pele tua delícia nos dias presenteados
como o céu e a terra dão pra sempre
assim,
procurar-te com calor
aprender-te em detalhes de criação
e sentir vida atrelada na luz,
pelo nome esperança
boa,
perfeita
e agradável voz que há
na ponte do rasgar véu



[poetar de asa branca]



Canteiro Pessoal


Respire em mim
fundo,
Para que eu respire
e viva.
E me abrace apertado para eu dormir
Suavemente segura por tudo que você dá.


Missy

5 comentários:

Rívia Petermann disse...

A esperança jamais será retrográda,uma das coisas qu mais admiro e que provém da humanidade...

Adorei o blog,o poema...Desbravei cada cantinho aqui,e vou seguir,claro.

Obrigada pela visita o blog!
Beijos!

Canteiro Pessoal disse...

Rívia, é um luxo discorrer no teu grafar, a erudição como chocolate aos lábios na ânsia do querer mais.

Abraços

Canteiro Pessoal disse...

Direitos Humanos

Sei que Deus mora em mim
como sua melhor casa.
Sou sua paisagem,
sua retorta alquímica
e para a sua alegria
seus dois olhos.
Mas esta letra é minha.

Adélia Prado in Oráculos de Maio

Valéria Sorohan disse...

Belo poema, como sempre. A sua criatividade é inesgotável.

BeijooO*

Canteiro Pessoal disse...

Valéria,

inesgotável, palavra de início, anúncio e de denunciar-se, ante a fonte da tela à pele. Portanto, repousar as asas no segurar do par em peito de chamas.

Abraços querida