2010-09-19

Palavras ao vento?

Que estou eu a dizer ? Estou dizendo amor. E à beira do amor estamos nós.

Lispector, Clarice


do lugar florido para além um som no mais fundo. o vento forte na janela com notas de arrancar e adentrar nos confins do quarto. pedaços escondidos em cada canto, a genuína face do ser. aprofundar do olhar as pontas dos dedos por campos no embebedar das águas. de vulcão em constante erupção por lápis no traço para escutar a voz. uma leveza presente com olhos à vela, até respirar contornos do que busca. sempre imersão do escondido no amor, segmento que fascina. os segredos preciosos em que hálito habita alegria uma outra alegria com tardes aconchegantes e músicas espontâneas. na linha da palavra como corpo de virgem, atrás de uma parede de ferro em descortinação, à beira da família. do guarda-chuva fechado com pele de luz repleto nas descobertas das formas. na permissão do fechar os olhos e afundar em calmaria o vislumbre de toda uma porção saboreada em partes. a frente do não abandono enquanto o vento acaricia e ocorre surpresas. as pegadas ao lado do haja, com prolongar de braços de terra firme. o ar da conquista do embalo nos dias de alma em mistério, que não sai da própria caverna. dos incontáveis pequenos gestos livre à procura do canto para se acomodar e anunciar como pintura ao tema.


. canteiro pessoal

10 comentários:

João Lenjob disse...

O amor!!! Sempre o amor!!! Muito bom!!!
Aguardo sua visita em meu blog.

João Lenjob.

Valéria Sorohan disse...

Palavras ao vento? Sonho, fantasia, inspiração. Sua sensibilidade e percepção são incríveis.

BeijooO*

Sr do Vale disse...

dá até pra sentir o perfume.

Canteiro Pessoal disse...

Sr do Vale, é muito bom quando dá pra sentir o perfume e transbordar, perante um globo que anda tão frio a respeito; raro ser e sentir.

Enfim, até...

Abraços

Canteiro Pessoal disse...

João. Obrigada pela visita, volte sempre e sinta-se à vontade no jardim.

Abraços

Canteiro Pessoal disse...

Valéria, brilhante!

Abraços

Noslen ed azuos disse...

depois de ler, reler e ñ conseguir, talvez por pensar ... resolvi ouvir a minha voz e ela me disse de sua poesia ... longe em meu consciente.

bjs
ns

João Lenjob disse...

Olá!!!!! Tudo bem? Agradeço a sua visita e informo que meu blog está atualizado e com cinco poemas novinhos. Aguardo você lá.

João Lenjob,

Pâmela Grassi disse...

Palavras ao vento, como quem quer voar melodias para longe, com asas impulsionadas com o que não nos alcança,


adorei! Beijos

Canteiro Pessoal disse...

João, um prazer visitá-lo.

----

Pâmela, pleno suas belas asas.


Abraços preciosos