2010-10-03

Complexo Caldo

Deixe-me filosofar, a existência é um livro. Ninguém pode fazer uma excelente leitura, se não aprender a ler as pequenas palavras. A psicologia namorando a filosofia sem titubear. O sonho da liberdade que inspirou seres humanos a escrever poesias, escalar montanhas, romper grades de ferro...

Cury


Os primeiros vestígios, a divisão da história na visão que se agarra dolorido predominante sobre o acompanhar da linha do tempo. Do por que relato da história, de toda fenda escura alojada, que ocorrera uma fase em que simples fato de abrir os olhos agradava e com prazer não se espantava ante a proliferação de textos à mente, tanto que se almejava o valer da pena num ensaio as respostas às muitas perguntas por estares de fato no envolvimento. Dos acontecimentos e das ações nas quais retinas mantinham o gosto das primícias, transmitiam vida, brilho educativo mergulhado na nota precisa e os passos gozavam o não esmiuçado pesar. Com tatos, obtinha-se a aproximação das variadas fragrâncias, e a pele por marcações registrada tatuava a todos que por longo ou curto momento o que se petalava com delírios, devaneios, desacordava as muitas águas. No inverno se colhia o ar soprado da primavera com sua face cativante, tudo porque dedos haviam aprendido que do gélido, empedrado se poli e abre portas onde não há portas, no versículo que dá existência onde nular assola, encontra-se milagre. O fato, ou razão, que sofrera rasgo perante os efeitos do jogo do poder, e ponto de vista ancorado pelo vomitado: os princípios como pedra preciosa, cultivaram no deredor um ódio, e o globo do espetáculo e da moda alfinetara o campo e flor desfaleceu. Acreditava-se que por trás dos muros existentes, um manancial sempre estava à espera, mesmo que certas linhas apresentassem a equação isoladamente nas bordas do tecido. As folhas com vozes celestiais calaram-se diante o que se capturava e o pequeno sentar no banco de um terminal já não fazia sentido e o compromissar peculiar das construções e reconstruções, como vaso quebrado ecoaram nas paredes, perdeu-se de vista: o estilo de vida.


. canteiro pessoal

2 comentários:

Valéria Sorohan disse...

O ar aqui é "pesado" por emoções e poesias harmoniosas... Parabéns!!! Qualquer hora volto!!!

BeijooO*

Uni ver sos disse...

Sua fonte de sentir é inesgotável, amiga! Transborda por dentro e por fora das palavras e chega até nós sem filtros..

Amo nadar nesses mares...

Bj,