2010-10-11

Mãos Abertas

há nas madeixas acorde secreto que se toca e que agrada, liga-se para a música. do tempo caminhando e semeando vai a profundidade revelar o haja. a pele que jorra a quarta, a quinta por ouvir da noite os passos com convite em banquete. o acorde maior cair para o acorde menor subir, tudo que compõe dos lábios no tirar aleluia. a beleza e o luar do que realmente acontece, e todo o suspiro anula o frio, e se chora cobertor de pétalas brancas, toma-se banho do amor que é marcha da vitória. sempre está perto com levar para lugares desconhecidos, deixa-se de pernas bambas e pulsação aumenta.

Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.


Canteiro Pessoal
Pablo Neruda

2 comentários:

Lara Amaral disse...

O acorde secreto das madeixas já me ressoou aqui.
Lindo!

Beijo.

Renata Bomfim disse...

Que maravilha d espaço, cheio de vazios e silêncios que passam paz e serenidade e permitem que se ouça o som da propria voz.
Adorei o poema a voz do silêncio, é bom ver outros olhares sobre um mesmo tem.
Um forte abraço
renata bomfim