2010-10-19

Magnitude

O amor tem razões que a própria razão desconhece.

Shakespeare, Willian


Quero vê-la
Quero vê-lo em detalhes
Quero retê-la
Quero retê-lo no campo
Quero o sal do seu suor
Quero a voz ecoando no habitat estratégico
Quero a cor entrelaçando seus cabelos
Quero as linhas da sua mão com acordes
Quero a profundidade de seu olhar
Quero a sutileza da arte, a conquista em novas versões


Quero a sensação
Quero a leveza dos passos
A relação
A intimidade
E saber que a razão está bêbada, sorrindo a toa
E saber que no teu saber o meu saber está:
a construção viva
Quero a ardência em cores quentes
Quero as misturas das cores
E um lugar escuro por perto
E um lugar secreto, segredar o meu perto
Para que a timidez tenha seu lugar de refúgio
Para que o desmanchar faça dos encontros, sol e lua


Quero que saiba quem sou
Quero que saiba o sou no sou
Sem ao menos me olhar
Sem não !
Com olhar de incomum,
para te absorver nas estações


Iones Nullius & Canteiro Pessoal
imagem: Sr do Vale

5 comentários:

Olívia Comparato disse...

Por aqui faz-se uma profícua colheita. Levamos os frutos em nós.
bjs

Sr do Vale disse...

Um olhar rente, como se mais nada existisse ao redor.

Pâmela Grassi disse...

Querida,

Os quereres guardados no coração e que transbordam em olhares de possibilidades,

Poesia carregada da sutileza do amor! Gostei muito!

Beijos

Uni ver sos disse...

M A R A V I L H O S O ! ! !


Se me permiti, deixo-te Alberto Serra


""Diz-me.
que não é de hoje esse arrepio
diante do fogo proibido.
essa vontade de sentir o abismo
abrir comportas ao desejo
e uma bungavília a roçar-te os lábios.

Diz-me.
que há dentro de ti
uma paisagem incompleta.
uma cidade aprisionada à rotina
ou uma guarita de pássaros .

Cercada.
queres o pão, o trigo
o amor ou a poesia .""



Ξ ѕ t є я

lis disse...

Sou sua seguidora e nem sempre posso acompanhar como desejo - hoje procruro pelo seu jardim e encontro a magnitude desse poema espargindo quereres pra nossa planeta , pra cada um de nós!
que assim seja!
abraços