2010-11-22

eis que és

[...] colhi a minha mirra com a minha especiaria, comi o meu favo com o meu mel, bebi o meu vinho com o meu leite.

Cantares 5: 1


Entre as tranças levanta o vento norte, da qual o alfabeto do corpo, alma e espírito perfumal produzem e não há esterilidade: mãos grávidas. O monte da mirra vindo e no cantares do vento sul a voz dos frutos excelentes, com todas as principais especiarias que assopram o jardim e, se derrama os aromas; poço das águas vivas.

. canteiro pessoal

8 comentários:

Mila disse...

Nossa, muito lindo, adorei...
"Mãos Grávidas" uma boa forma de descrever você que sempre tem nascendo de suas mão belas poesias, lindos textos. Adoro Cantares, muita sabedoria tem ali, muito amor também.

Bjinhos

Mila

PS: Leio e recomendo:
http://rafabernardino.blogspot.com/

Sr do Vale disse...

Parindo poesias

Canteiro Pessoal disse...

Suzana, mãos grávidas é forma em vinho da entrada à cantares.

----

Sr do Vale, sussurro ao pé do ouvido, numa repetitição adocicada: APENAS com uma letra se constroi e reconstroi um poema VIVO. Do interno se faz escrita em pele ser muito mais que pele e, pari-se o filho.

Noslen ed azuos disse...

Ventos para ñ deixar dúvidas da aproximação da fértil colheita de flores/ frutos no altar materno.

Bjs minha querida.
ns

Moa disse...

"O teu umbigo como uma taça redonda, a que não falta bebida..." (Cantares 7.2)

É assim sua inspiração, tem um bom vinho capaz de tornar os pensamentos leves, mas profundos.

Bjim.

Rafael Bernardino disse...

Obrigado pela sua visita no meu blog... Adorei o seu espaço. Vou estar visitando com mais frequência... Já estou te seguindo.

Abraço!

Luciano Martini disse...

Palavras viajantes...
Belíssimo!

Zaraminko disse...

Lindo seu blog, Flor! Parabéns!