2010-11-06

Gostar das cheganças

No talento da velocidade as notas em vozes próprias ganham adornos na linha do maduro e pupilados no arco-íris de personalidades indisfarçáveis. O valor reconstrói-se na casa em que os talheres de prata fina filmam a cena da sensibilidade de dois corações. A devoção, zelo e respeito destacam companhia agradável e, peculiaridades de vivência charmosa e eloquente, os que sabem o que falam e sabem falar na hora precisa. O atrair ardente que desata nó(s), e idades transcorrem repertório e embrenho nas cascatas de água escorrendo habitação de linho poético. A visão aguçada sobre os valores, de ser, de pensar, e de viver envolvente na inteireza, do estar que se captura harmonia tão grandiosa. Romantismo ecoado e trombetas cantam e atuam em versos e prosas por acontecimentos importantes de datas sempre linhados no recente, tatuados na memória em que taças brindam o sentir ativo nos pulmões, rebuscando as peles e mãos em asas de vôo pleno. O alinhavado despertar aos detalhes de âmagos nos passos da ciência profunda, sons e perfumaria a penetrar formosidades interiores na foz da vivacidade tangível de tão clara, esculpidos à luz do luar.

Canteiro pessoal



Amor. Bolinhas de sabão. O som de copos com água. O som das gotas no chão. Um sorriso tímido. A música por trás dos ruídos. Um coração encostado no outro. Um ou dois para sempre. Um avião nas mãos de um menino. Um barquinho de papel. Uma pipa atravessando as nuvens. Uma sementinha de tulipas. Um mingauzinho de aveia. Um par de meias listradas. Dois ou três cata-ventos. Uma palavra inventada.

Apoena, Rita

4 comentários:

Ana Raquel disse...

é lindo aqui....

Suzana Martins disse...

um suspiro próximo, um sentimento ao lado.

Lindo demais!

Beijos

Canteiro Pessoal disse...

Ana e Suzana, é lindo, suspiro as camadas escritas em mergulhos e, arrebatador a dança da árvore de frutos saborosos, que sinalizam as pupilas na velocidade da tela. O relógio que não corre, e olhar fixo no andante do toque, com dizeres aos lábios na pergunta de semente.

Abraços

Moa disse...

Oh querida, ver sua sensibilidade posta em palavras é como desfrutar da sombra de uma frondosa árvore, não dá vontade de sair.
Parabéns!