2010-12-11

do verbo navegar

.
.
Porque eu amo-te, isto é, eu dou cabo
da escuridão do mundo.
Porque tudo se escreve com a tua letra.

Pacheco, Fernando Assis




Teu sabor silêncio meu, que só há no verbo amar; sim da escuta do som que ecoa desembarque no mistério. O sorriso de cura para as lacunas; gemidos por permissão no junto ali que guarda vida íntima, e o aroma do poema cria o esplendor das palavras. No sangue recria tudo teu a habitação do em ti me perco. Dos braços por cima dos meus ombros, sentindo o bisturi no pedaço do passado clamante remover pela tua química vibrante, com pensar de novas metáforas. As digitais do correspondida no esculpir da vida, por onde renasce o sonho do tempo que não há tempo. O segredo que encosta ao mar refletido à face, na mesma água que a lua e, toca de um jeito que não sai; invadi e se instala no abrir de fendas, que acende as estrelas.

. canteiro pessoal

6 comentários:

Suzana Martins disse...

Que o amor que secreta em mim deixe as digitais naquele coração que eu eu desejo!!

Beijos linda!^^

Bom final de semana....

Não canso de repeti, mas os seus escritos calam em mim. É uma leitura diária!!!^^

Beijos

Mila Lopes disse...

OLá linda!

Um sentimento assim não existe passado que persista...

Descreves o amor de uma forma divina.

Bjs

Mila

A.S. disse...

Ah! Pudera eu
abraçar as tuas palavras dentro das minhas,
tecer com elas a forma exacta do teu corpo,
adormecer o medo
na ternura dos teus olhos
para sentir o prazer
de navegar nas brisas interditas,
que fazem as delícias de lábios sequiosos…


Beijos!
AL

Valéria Sorohan disse...

Uma viagem.

BeijooO*

Camila Lima disse...

Lindo texto, lindo blog! Sigo-te! Obrigada pela visita!

Canteiro Pessoal disse...

Suzana, Mila, Albino, Valéria e Camila, como predras preciosas no jardim, e com regar em vivacidade as pétalas.

Abraços