2010-12-12

o tempo que desliza

No entanto alguém me disse...
aprender a enxergar as lágrimas nunca choradas,
as angústias nunca verbalizadas,
os temores que nunca contraíram os músculos da face.

Bruni, Carla
Cury, Augusto


A pensar o jardim do olhar que está cheio de gardênias para ofertas capturadas. Enquanto repousar os dedos, que analisa a psique por deixar nu, entra-se na dança dos olhos fixos, que consomem. Faz no espelho dos que silentes aguardam por despertamento, com paladar dos ósculos de firmemente doce, docemente firme textura à porta. O sussurro cheiro suavíssimo da canção falador de amor, no que aborta o dizer a vida não vale grande e se passa em instantes como murcham rosas. De todas as horas imersão à porta-retrato vivo em casa, pulsar veias sensíveis e sangue aquecido. Gritar na rua A e esboçar múltiplas cores O. O embalo no R da sensação diferente e ponto no infindável da intimidade. No rastro escondido onde o movimento não termina, mas flui, o M. E, senta-se com interior inflamado, o que cresce no profundo pulsante gemido da correspondência íntima, como cantante dos risos sobre a areia, conhecimento das curvas dos segredos. Na janela o ensaio da peça chamado uno, o sempre primeiro ensaio antes da pré-estréia - hoje do amanhã hoje. O som do ouvir a pena no mar, quente e abraçada. A conexão ligada até pele e o relógio anda no compassado do diferente melhor porvir já dançante traços. No sentir o aroma das voltas madeixadas. A lógica o silêncio do chamado terno letrais para deslizo multiplicativo. Por viagem vestido de sol brilhante ao gosto de boca na admiração. Nos poros da alma que escorre marcas do juntos, o perfume dócil invadindo os sentidos. Terremoto. Maremoto. Explosões. Como controlar-se em meio às curvas e gemidos importantes que se pertence ? Ao cume sussurrante calma suave; intenso ardente fisgar, num vai e vem de profundo oceano, a gestos de entrega declarada sem qualquer pressa, perdas e danos, sem medo.

. canteiro pessoal

6 comentários:

Sandra disse...

Parabéns pela postagem. Super fofa e inteligente.
Realmente esta confraternização deixou todos muitos inspirado para revelar os amigos secretos.
Amei a sua postagem..

Uma postagem bem deliciosa e cheia de ternura.
Este Amigo Secreto,foi simplesmente maravilhosos.
Um Feliz e Santo Natal a você. Desculpe não ter vindo antes, pois durante o dia não tive tempo...
Foi um dia muito corrido.Tive formatura do meu filho no Taekwondo.
Amigos São sempre amigos. Não importa se são secreto. eles são formidáveis. Seu amigo Secreto é uma pessoa maravilhosa.

Bjs.
Até mais.
Sandra

Suzana Martins disse...

Como controlar-me diante das palavras sussurradas aqui?!

Uma viagem entre diferentes conexões e letras, multiplicando vontades de ler e querer sempre mais!!

Belíssimas palavras num jardim que chove sentimentos!!

Beijos e linda semana!^^

Jorge Pimenta disse...

a imagem do jardim do olhar deixou-me aqui com a íris turva, perdida algures entre as gardénias capturadas e as raízes que perderam a terra. não vale a pena esperar o brado do mar; desisti de abrir a janela para o primeiro ensaio; esqueci as horas em que os poros sorriem para o oxigénio que lhes lava o perfume. afinal, os botões são sempre cortados antes de se tornarem rosa.
um beijinho, querida priscila.

valdivino disse...

Palavras inspiradoras,belíssimo seu poema.

abraços

A.S. disse...

Um perfume dócil
invade meus sentidos,
bebo a luz das tuas palavras
na carícia da tua boca,
como se o beijo nunca se extinguisse
nos teus lábios…


Beijos!
AL

Julia disse...

Oi Priscila
"Firmemente doce, docemente firme", lindo. Adoro também os pensamentos de Augusto Cury.
P.s.: acho que consegui seguir vc..rsrs. Fiz os passos certinho que vc me disse.
Um abraço