2011-01-14

Alaranjado

a seda da janela soprada do entardecer trigo, o que se quebra aquebrantado das composições findas infindáveis ressoantes. das imagens do imperfil feito com comoção desmanchado, que se fita o laço marcado através da tempestade, e rebate pelos sons as gotículas ao solo fixado – caco de sorrisos.


Canteiro Pessoal



Na janela
embaçada
desenho o teu
perfil.

[MOVIDO A VAPOR- Paulo]

6 comentários:

Pâmela Grassi disse...

Querida,

Esta laranja do céu, quando se volta para si, faz aquecer a nossa alma de busca!

Beijos

Tamires Buliki. disse...

Muito obrigada pelo elogio, querida! Seu blog é maravilhoso. Seus textos são como poesia para a alma, ótimos!
Voltarei mais vezes. Beijo.

Jorge Pimenta disse...

é o fogo que contorna os dedos do fim da tarde, é a língua que quebra o horizonte tornando o puzzle em cacos de devir. oh, mas por que é que o vidro tem os contornos finos do teu rosto, com traços de sangue borbulhante? farpas, lascas, limalha do esquecimento. disseram-me que a imagem cresce sempre do lado de fora. mentira! o meu canto é o silêncio prenhe de nada, à sombra das tuas mãos.
procuro o arco-íris. todas as cores cuspiram o céu e empoleiraran-se nas costas de anjos sem asas. permanece o laranja... de fogo... a faca fria com que o mundo talha o seu abismo.
beijos cor-de-laranja!

Tati disse...

Obrigada pela visita, querida...
Quanta coisa boa de se ler por aqui, um grande achado!
Esse alaranjado me fez sorrir!
Beijo grande.

Suzana Martins disse...

Cacos de sorrisos num outono alaranjado em todos os pores-do-sol!

Beijos querida!^^


P.s.:
Querida,
gostaria de convidá-la pra escrever no meu blog. Me escreve?
suzana.martinss@gmail.com

Bom FDS

Paulo disse...

Grato pela citação.

a tempestade arrasa as últimas letras que se julgam inatingíveis, meras especulações com palavras que se contrapõe aos fatos.

Ah os cacos...