2011-04-24

entre papéis

Antes de tudo ósculo delicado tão fecundo e inédito, queimando o comum das notas em vitrines. O solo com prevalência do inteiro na importância revista como primazia. Com ternura e olhar intransferível, descobertas infindas da metafísica em pintura. Abertura da porta sem meios termos que impacta, porque vindo os pés da bailarina; coração cheio de futurar musical. E pela janela do quarto, a coragem no som da alquimia do amor maior. As uvas nas rimas refletidas ao paladar da reflexão no acervo da alma. O plural contínuo fotografado pela diversidade auditiva, e os toques dos conceitos. A construção do olhar que desenha amplexos fortes, defronte a magnitude da tarde concebida através do vento.

Canteiro Pessoal


E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música.

[Nietzsche]

8 comentários:

O Universo dos Pensamentos disse...

O titulo do seu blog me lembrou um filme que assisti. Acho que todos nós temos esse jardim secreto. Ponto de fuga. Qdo o exterior não está tão bonito de se ver a gente vai se refugiar nele.

Boa noite.

Canteiro Pessoal disse...

Na realidade o exterior é reflexo do como está o interior. Já, absorvo não como ponto de fuga, mas como um jardim fechado, regado e cuidado, que se busca reflexão, e fluir um manancial do íntimo - águas vivas, sucedendo o restaurar do ser diariamente.

Abraço, e agradecida pelo pouso, volte sempre.

Sandra Ribeiro disse...

E os insanos são mais felizes! Mais feliz é quem ouve e sente a música...

Jorge Pimenta disse...

E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música.

[Nietzsche]

esta é a diferença entre olhar e ver, ouvir e escutar, tocar e sentir, verbalizar e ler, viver e morrer antes de nascer.
um forte abraço com saudades deste canteiro e da sua flor maior!
beijos, proscila!

Paulo disse...

Oscular com sentimento sem se saber diminuída(o).
Imagens construídas por pensamentos metamorfoseados em sintonia.
Palavras trocadas em momentos oportunos pintam quadros abstratos que se entende.
Pseudocópulas ocorrem em água nem tão profundas.
A felicidade só perturba quem não quer ser feliz.

Abraço.

O Espelho de Eva disse...

Sinto aqui, de leve, um beijo com sabor de vinho. Uvas ímpares, brotadas de solos férteis. Delicia-me a boca, entorpece a língua, faz perder os sentidos, inundando-os de tantos outros.
Beijos.

Érico Cordeiro disse...

Olá,
Convido você e seus leitores para as comemorações dos dois anos do blog Jazz + Bossa + Baratos Outros. O endereço é:
www.ericocordeiro.blogspot.com
Abraços!

Celso Mendes disse...

Uma prosa poética belíssima, entremeada de figuras que beiram o surreal, convulsa em sentimentos, texturas, odores e paladares. E a frase genial de Nietzche responde a quem não sentiu o texto.

Belo, belo!

beijo.