2011-05-08

guarda-roupa



A luz de janeiro num maio promissor,
que de cultura à companhia das curvas
sem choro por telefonemas.
Das histórias nas madrugadas leitosas,
o processo melodiado com amadurecimento
no tempo significante.
A lua nos olhos negros: canto dos pássaros.
O vento forte explorado num golpe só –
Vivência !
Por querer se espera outra língua,
sereno sufixo do sensível.
O que transborda unificação das tardes inteiras,
e eis os segredos no gozo da liberdade policromo.


Canteiro Pessoal

2 comentários:

Suzana Martins disse...

As de outras estações num maio que ainda não me encontrou. Meus olhos observam no calendário que os dias se passaram e que Maio está vibrando, porém dentro de mim ainda não consegui avistar esse mês que insiste em passar...
Nas madrugadas apenas as lembranças de pré agosto...

beijos linda!!

P.s.: não esqueci o fragmento

paulo disse...

As cores, se muitas, sugerem indefinições, mas podem levar a íris - a do arco - ao pote de ouro. Sete cores, sete vidas, sete pensamentos.

Abraço, Pri