2011-06-08

absurdas palavras de seus lábios, transforma-me!

Apesar de todos os medos,
escolho a ousadia.



Nos vossos olhos possuo um barco que navega sem obstáculos. Pois, seu instinto feminino, gerador de vida, promove chuva - tempestade na minha terra seca, que na loucura dos dias longos e curtos, faz-me entrar no mar profundo, mesmo sem saber nadar. E nas ondas que assustam, ensina-me caminhar no par dos seus olhos - permito-me principiar amar, o amor, que é; meu hálito deixa de ser sombrio e subterrâneo como os túneis do metrô. Nas luzes da cidade que se apagam, desaguo e encontro abrigo no lugar das suas buscas, chegadas e multiplicações. És tu no limiar da minha base, que exala diferença, e minha pele já atua brilho: transpôr os limites do lago. A ressequidão através de um único olhar seu, é transformação imediata. Se adequam, destina-me, e alarga minha tenda existencial. Os meus lábios famintos absorvem o crer do azul; amadureço nas curvas. E com asas nos invernos, o equilíbrio cresce e permaneço em fôlego de vida, e se levanta o dormir em suas mãos e as muitas paisagens do acontecer.

[...]

Canteiro Pessoal
Lispector, Clarice

6 comentários:

A.S. disse...

Todos temos asas, mas apenas alguns ousam alçar o primeiro voo... VOA!...
Liberta teus lábios ao doce sabor das brisas interditas!


Beijos meus!
AL

Canteiro Pessoal disse...

Sim A.S., voar! A coragem do primeiro voo. Libertarmos das amarras, como faz menção Lispector: Apesar de todos os medos, escolher a ousadia.

Abraços

Álvaro Lins disse...

Vou voltar! até porque gosto de voar:)
Bjos

Canteiro Pessoal disse...

Álvaro, aguardarei o retorno!

Abraços

Celso Mendes disse...

voar para olhos onde se quer pousar é ancorar em nuvens e destilar-se no poço mais fundo da alma.

que o fôlego exista enquanto o voo for desejado.

belo, minha amiga, muito belo. sempre tenho a certeza de uma boa leitura quando pouso por aqui... e Clarice Lispector desperta sempre, provoca sempre.

beijo.

Canteiro Pessoal disse...

Celso, cada vez que releio escritos de Lispector, um despertar acontece. As palavras que deixara, renovam-se; tudo provoca - saída da inércia.

Abraços escritor que tenho tanto prazer de ler.