2011-06-15

contornos para o cume

Escute-me: vou dormir !
Mas, escrevo-te
na voz dos meus olhos.
E com o retrato da sua visão,
És o morador caloroso do meu coração !
As minhas batidas despertam
O que se está longe,
Ao mesmo ponteiro tão perto se refaz.
As minhas mãos entram em festas;
O teu banquete alcança os meus pensamentos.
Vou às ruas por suspirar a vossa paz,
quão grande a gosto.
Para a alegria das marcas que deixas
Transpiro em grito teus passos,
E abaixo a guarda –
Coragem para sentir-te crescente.
A tamanha intensidade do estar enlaçada.
Como um suspiro e clamor
Derramo o meu mar interior na ponta dos dedos;
Goticuladas permissões das incontáveis missivas.
Cor, perfume e sorriso,
O que me molha os lábios.
Visto-me a nado para desnudar-te;
Tecido em tecido desejável abundante
Para os seus desejáveis dedos,
Sempre na direção do sol.
Meu pianista, no que está decidido,
Afundar-me mais profundo. Pois,
No campo ouço as estrelas
Que assopradas por ti,
Grudam nas minhas lacunas e,
Restauram-me,
Anunciando-me em frases.
E eu digo, reedito plenamente:
Estou enferma de amor por ti !

Canteiro Pessoal




Se você sabe conviver com pessoas intempestivas,
emotivas,
vulneráveis,
amáveis,
que explodem na emoção:
acolha-me.

Lispector, Clarice

11 comentários:

Sil Villas-Boas disse...

Maravilhoso
Intenso
Belo
Adorável
E Adorei te ler hoje, Priscila.
Bjusss
Sil

Suzana Martins disse...

Desperto com as suas frases em mim... Agora começo o dia em festa!!

P.s.: O livro "A menina que não sabia ler" é maravilhoso. Fiz essa leitura no início do ano e Amei...

Beijos linda...

Saudades

Paulo disse...

Já não durmo como dormia e o compasso do órgão é descompassado.Na penumbra procuro razões olhando para o teto que desaba em mim. Sorrio e na solidão do momento contemplo palavras, vírgulas, versos, pontos e imagens. Surpreso. Feliz. Tatos e contatos mesclam sonho/realidade. Metáforas já não me bastam mais e a mesma doença em mim se manifesta. Epidemia...a dois. Cura...a dois. Perambulo, cedo, pelo asfalto entre calçadas e paralelepípedos, leve como o beija-flor que beija a flor de plástico entre outras naturais na frente da floricultura. Tropeço e embriagado entorpeço-me de alegria pensando: "Será que nasci para te fazer feliz?"

Que poema, Pri. Muito bom

Suzana Martins disse...

Pri, tentei te ligar hoje, mas acho que o seu dia estava muito corrido, rs... Mas deixo aqui o meu beijo de feliz aniversário. Deixo o meu carinho e o meu abraço pra ti...

Muitas felicidades pra ti que eu tanto admiro...

beijos minha linda

Canteiro Pessoal disse...

Su, querida! Bastante corrido! Agora a pouco que vi sua ligação. Mas, agradeço-te de coração pelo carinho.

Abraços preciosa!

Thiago Ya'agob disse...

Priscila,

passando por aqui em letras e em oração para te desejar um feliz aniversário.

Meu desejo e votos estão enraizados nessa palavra: Que a paz de Deus, que excede todo o entendimento, continue guardando seus sentimentos e suas emoções em Cristo Jesus. (Filipenses 4:7)

Felicidades.

Beijão.

Canteiro Pessoal disse...

Thiago, meu amigo! Obrigada!

Abraços

Liza Leal disse...

Incrivelmente belo!
=)

bj
boa noite, Priscila!

Danilo Castro disse...

Pri,

Muito boa sua poesia. Acho que um dos textos que mais gostei de ler por aqui. Me lembrou um poema de Cecilia Meireles:

Pus o meu sonho num navio

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
depois abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar.
Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre dos meus dedos
colore as areias desertas
O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho dentro de um navio...
Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.
Depois, tudo estará perfeito:
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.

Um beijo!

Adriana Aleixo disse...

Tocante! Felizes os que sofrem dessa enfermidade. Contemplados os que leem esse poema. Bjo!!!

Adriana Aleixo disse...

Ops! Onde leio as citações do Paulo?