2011-11-19

Oh, me ama!

... como um barulho de folhas ao vento.

Lispector, Clarice


Tens ciúmes de mim
Como eu no envolvimento do seu traçado
O Seu amor é como um furacão,
A tal modo que me aborda em questões escondidas
E eu me rendo ao seu vento intensificado
Então, de repente não vejo mais meus tormentos
Eu só vejo a tua luz que me amadurece
Na glória dos encontros íntimos
E percebo quão maravilhoso és,
O tanto que me quer na sua vida,
O quanto me amou no primeiro olhar
E na mesma permanência me ama
Ao qual sou sua herança,
Da intensidade de todas as horas o meu galardão
Quando penso que teu olhar é compromisso
Isso me atrai à redenção
E a tua generosidade é um oceano,
Que deparo afogada no teu leito,
Totalmente focada
[O céu se une a terra como um ósculo apaixonado]
Meu coração dispara no peito,
Acelera minhas batidas
E caio na real que não tenho tempo...
Tempo pra perder com ressentimentos.

Canteiro Pessoal

5 comentários:

Noslen ed azuos disse...

sou romântico ( ou nostálgico), mas incoerentemente ñ gosto de textos românticos e melados rsrs...mas este seu texto me redime e curvo-me diante do singelo e dorido romantismo!

bjs
ns

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema, querida amiga.
Gostei muito das tuas palavras. Saio daqui sempre encantado.
Beijos.

Thiago Ya'agob disse...

Ele Me Ama. Saber disso faz toda a diferença. Amor sem limites, sem regras, sem imposições.

Um grande abraço, Priscila.

Saudades, minha amiga.

Secreta disse...

O tempo é precioso , não devemos desperdiça-lo! :)

Nilson Barcelli disse...

Reler poemas desta qualidade é sempre um prazer enorme.
Querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijos.